sexta-feira, 14 de dezembro de 2007

Xadrez

Talvez eu não devesse me importar. Mas é um saco ver que as pessoas sempre exigem mais - não necessariamente um saco elas quererem mais de você, mas o fato de nunca ser o suficiente. Eu vou dizer "Bom dia, meu nome é Ivy. Estranho, eu sei (risada marota)." Vou dizer que ando estudando, que gosto de desenhar e acrescentar alguma coisa besta. Elas não estão interessadas nisso. Você pode ser um V (V de Vingança) sem precisar de um nome. As coisas que a gente sempre diz são as que menos importam. Numa entrevista de emprego vão te perguntar o que você já fez, não querem saber se você acha que o mascote da loja tem uma cara realmente publicitária. O esquilo do Zaffari não tem cara de bobão, como aqueles animais animados estampados em caixas de nuggets. Mas não querem saber o que você acha disso. No fundo as melhores conversas são aquelas realmente espontâneas, onde você fala sobre o que lhe vier a cabeça e a pessoa do seu lado só te acompanha, não te olha com aquela cara de "ela não é normal". Essas caras são as mais idiotas. Dá muita vontade de não ser normal mesmo, só pra poder me sentir feliz e longe de ter uma cara dessas. Silêncio é legal. Fica constrangedor, de repente, quando você está acompanhado. Isso é relativo, mas é verdade na maior parte das vezes. O ruim é que as pessoas estão sempre catando umas as outras, isso tira a naturalidade da coisa. É estranho ter de conseguir sucesso dentro dos padrões capitalistas e, ainda assim, dar a mesma (ou maior) importância à vida emocional. Você têm x anos para encontrar a pessoa ideal. Você nasce e está dada a largada. E aí você pensa que tudo vai fazer sentido. Talvez sim, talvez não. Depende da sua visão. É estranho jogar a responsabilidade de achar a tal da felicidade em cima de outra pessoa. "Você não pode me desapontar, me fará rir e vai gostar de fazer tudo o que eu gosto." Eu fiquei pensando em toda a conversa... pensei no Holden. É fácil de se identificar com ele. Agora eu percebi. Me senti besta quando eu não tive nada a acrescentar. Só coisas abstratas. Eu me sinto compreendida, deprimida, como a maioria das pessoas deve se sentir quando lê. É legal aquilo do livro servir para várias gerações. Que droga! É disso que eu to falando! (Uma janelinha desconhecida do msn piscou, eu abri e o convite de webcam já tinha sido aceito automaticamente. Eu não sei o fascínio que os homens têm com seus pênis. Que saco. Tudo bem que é o que eles têm "pra fora", já que as mulheres têm seios e nádegas mais avantajadas. Enfim, que saco. Talvez eu preferisse quando ainda era moda casar virgem. Não existia webcam.) Agora me estressei. O dia foi incrível, incrível mesmo. Voltei pra casa de lotação. Ela demorou um tempo para sair, porque estava cheia de baratas e pessoas gritando dentro. Umas três desceram. Sei lá, foi uma situação nojenta, onde você fica irritada com as baratas, o serviço público, as pessoas porcas e as pessoas que gritam. Mas eu não quero falar disso. Eu parei de tentar fazer perfis legais no Orkut. Primeiro porque o site já é um erro. Exposição por nada. Daí você fica limitado a escrever coisas e tentar agradar os possíveis leitores. Ou não. A merda é que ninguém é verdadeiro. Seria melhor se todo mundo fosse franco. Os mais sensíveis sofreriam mais inicialmente, mas depois aprenderiam a equilibrar as diferenças também. Então você perde a vontade de chegar e dizer coisas aleatórias, que te fariam uma pessoa talvez única. Algumas coisas são realmente melhores quando só existem no nosso pensamento. A delícia das coisas está na nossa interpretação.
Pensando se eu sou branca, preta, cinza ou um jogo de xadrez.

4 comentários:

Gui ¬¬ disse...

as melhores conversas são aquelas que não acontecem. Pensei nisso nessa semana. E em como as pessoas tentam ser o que não são, e acabam assustando justamente as pessoas mais incriveis que acham que vc é uma coisa que não é, e que por fim tiram conclusões erradas sobre vc e não descobrem o melhor de vc por vc ter mentido inicialmente. Eu acho que me enrolei uhsuahsuahsuashuas mas é por aí

Esse negócio de orkut é um erro mesmo. Eu fico lá, viajando, vendo as melhores poses das melhores fotos das pessoas mas a gente nunca sabe realmente como ela é em tds os ãngulos. E eu fico muito cansado qdo as pessoas não se contentam com o que eu posso dar. E cobram atitudes e ah, não sei o que mais eu ia dizer

=*

Gui ¬¬ disse...

P. S.: toma cuidado com essas web cam's hãn hãn?

uahsuahsaushau XD

Gui ¬¬ disse...

ahh lembrei! eu queria comentar sobre vc ter dito que as pessoas buscam suas felicidades no outro e que vivem em busca de alguém, tentando passar a responsabilidade do fracasso ou do sucesso, da tristeza ou da alegria à outra pessoa. Cara, que máximo! vc disse td agora

beijo de novo!

Daniel disse...

Menina,
não sei se você vai achar ruim te chamar assim, mas prestes a completar 33 anos me sinto cada vez mais longe das certezas da adolescência. Só resolvi deixar um comentário pois fiquei muito impressionado com sua clareza de idéias e seu texto em si. Acabei de ler suas colocações sobre "The catche in the rye" e adorei as colocações pertinentes e inteligentes. Arrasou!
Você me mostrou que vale a pena trabalhar com os jovens - sou estudante de Letras e já estava achando impossível encontrar alguém novo com idéias e argumentações sérias. Você deve saber que a mediocridade característica da nossa sociedade se manifesta de maneiras inacreditáveis entre os jovens, e um futuro professor como eu às vezes se acha impotente diante disso tudo. Você me mostrou que nem tudo está perdido, e me alegra saber que a nova geração também tem grandes questionadores - esses movem o mundo e são responsáveis pelas transformações.
Parabéns!